quinta-feira, 24 de julho de 2008

O ACASO ESPERADO DA VIDA!

Todas as manhãs acordo pensando o que escrever no blog. E o dia passa, nenhum assunto me inspira e eu acabo deixando para o dia seguinte a pauta e assim tem sido recentemente. Eu não quero abandonar meus queridos leitores e peço desculpas por ter feito, mas uma dificuldade me tomou por conta da correria do meu trabalho e da própria dinâmica da vida que me insere em algumas situações que me distancia do micro e da internet. É bom lembrar também que o speed teve sua culpa também por não me permitir acessar por alguns dias depois do tal apagão inexplicável.
O fato de eu não ter vindo postar não significa que minha mente esteja num oásis do ostracismo racional, muito pelo contrário, tenho refletido sobre muitas coisas que eu gostaria de compartilhar com os amigos leitores. Principalmente sobre as pessoas que aparecem e desaparecem em nossas vidas e com isso também a questão do acaso.
Numa manhã dessas eu me levantei, li o jornal do dia como de hábito e por acaso liguei a tv num desses programas matinais que tratam de assuntos femininos e lá estava uma senhora elegante dizendo que não acredita no acaso. Ela é espírita Kardecista e discorria sobre cirurgias espírituais. Mais do que o assunto que apesar de interessante não era o que eu procurava naquele horário, me chamou a atenção a frase: "Eu não acredito no acaso" e passei a pensar nisso.
No último final de semana me apareceu algumas pessoas que me fizeram tão bem, me instigaram coisas novas, experiências heterodoxas e me encheram de esperanças na vida a dois. Mas a efemeridade com que as coisas aconteceram naquela sexta feira e o sumiço repentino dessas pessoas ( é claro que houve alguém de maior destaque naquele grupo, pelo menos para mim), me fez pensar o seguinte: "Se não foi por acaso que eu os conheci naquele bar, levei para minha casa, bebemos, dançamos, nos divertimos que sentido então teria acontecer tudo isso?", o que a vida quis me dizer então?".
Acho que preciso entender melhor sobre as casualidades e o acaso para saber se eu não estou errado quanto a concepção da vida. Vou ler Allan Kardec. Por acaso.