quinta-feira, 29 de março de 2007

O FIM DO TROCA-TROCA

Foi correta a decisão do TSE ( Tribunal Superior Eleitoral) de impor a fidelidade partidária para os políticos eleitos para os legislativos em todos os seus níveis. Ou seja, qualquer deputado eleito em 2006 que trocou de sigla está correndo o risco de perder o mandato, a não ser que retorne ao partido pelo qual se elegeu. Até agora 37 dos parlamentares eleitos em outubro trocaram de agremiações. Como bem disse o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), " É o primeiro passo para a reforma política".
Eu sempre defendi que " os mandatos pertencem aos partidos politicos", respeitando o sistema eleitoral proporcional. Acho que o principio da democracia política se dá na respeitabilidade das instituições.
O troca-troca de partidos, muito comum em inícios de governos em que as negociações estão a todo vapor, tiram a legitimidade politica dos partidos, sendo eles usados somente como trampolim para projetos pessoais.
Já passou da hora dos partidos tomarem as rédeas dos seus projetos ideologicos e preparar melhor os seus quadros politicos nas disputas eleitorais. Que seja bem vinda a tão esperada reforma política.