sábado, 1 de setembro de 2007

UMA NOVIDADE

Caros leitores,
Depois de mais um tempo sem nada postar neste espaço - não tentarei justificar porque ainda não encontrei uma explicação plausível para tamanho abandono e ostracismo - decidi que hoje escreveria sobre uma decisão. Uma que tomei agora a pouco, como se um raio me acertasse a mente. Um flash de iniciativa mental. O problema é que essas decisões repentinas geralmente não se situam no meu jeito arredio de ser, mas o mais importante nesse momento é que resolvi me relacionar afetivamente apenas com pessoas mais velhas do que eu. Não que antes disso me dedicasse somente a pessoas jovens, mas nunca me peguei na questão etária para investir num relacionamento.
Percebo que na medida em que o tempo passa - no caso o meu tempo - sinto necessidade de conhecer uma espécie de "novidade amadurecida". Também não sou adepto de que os velhos são mais experientes do que os jovens, até porque acho isso muito relativo e se considerar a frase dita por Oscar Wilde, de que depois dos 25 anos todos temos a mesma idade, eu poderia perfeitamente enquadrar meu ataque na faixa dos vinte.
Mas sinto que é chegada a hora de buscar uma experiência profunda, colocando meus sentimentos a serviço do meu próprio auto-conhecimento futuro. Ou seja, me instruir e automáticamente me preparar para a fase do "amadurecimento etário", que é bastante comum entre os seres humanos, pelo menos os mais sensatos.
E é a partir desta minha constatação - a qual espero cabalmente que perdure - que me dedicarei a conhecer o velho novo, ou utilizando uma definição do meu grande mestre Augusto de Campos " O antigo que foi novo é tão novo quanto o mais novo novo".