quarta-feira, 26 de novembro de 2008

A INSPIRAÇÃO VEM DE ONDE?

Nessa noite antes de dormir fiquei um pouco perturbado por algo estranho que me ocorrera. Não sei descrever o que é. Era uma angústia sem causa ou pelo menos atribui a mesma a um certo exagero nas doses cavalares das cervejas que tomei na companhia dos meus novos e já grandes amigos durante a visita que fiz a eles. Pessoas cultas e finas que apreciam uma boa prosa sobre os mais diversificados assuntos, acabamos por horas buscando traillers de filmes clássicos no youtube para relembrarmos algumas cenas marcantes. E passaram coisas interessantíssimas que nem eu me lembrava mais de ter visto, o que aumentou minha vontade de rever alguns daqueles títulos e ver os ainda inéditos ( pelo menos para mim) de outros que só conheço por nome.
Acho que esse passeio caseiro e virtual por momentos marcantes da sétima arte pode ter sido a causa da minha perturbação.
Parece desinteressante esse relato mas ele serve para explicar a metamorfose kafkaniana que me aconteceu enquanto eu dormia. Eu sofri uma transformação durante o sono transtornado e logo, lugares que nunca fui, personagens que nunca vi e situações que nunca vivi me tomaram por completo, me fazendo levantar várias vezes para tomar água na tentativa de satisfazer uma ressaca insaciável. O mais engraçado é que mesmo sendo interrompido por pelo menos umas três vezes para ingerir fartos copos d´aguas, eu voltava ao mesmo devaneio,, por isso me senti como se sentiu Gregor Samsa no clássico da literatura.
Acordei nessa manhã, não tão cedo é claro, e coloquei a utopia no meu caderno de brochura que também apareceu nele. Ou seja, fui servo de um distúrbio noturno.
Agora que estou bem acordado, consigo decifrar o que tudo aquilo me dizia (se é que tinham a intenção de me dizer algo) e provavelmente uma nova história sairá em breve, cujo título não foi dado por mim e sim pelos personagens que invadiram minha última noite. Não direi agora para não estragar a surpresa e para que eu também não seja pego de surpresa. E assim veio a inspiração, de um sonho de uma noite de primavera (quase verão) mal dormida.