sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

SÓ ME FALTA SER EU - UM PENSAMENTO PERDIDO

Dizer o que pensamos a respeito de nós mesmos nem sempre é tarefa fácil. Já fui surpreendido por diversas vezes em situações em que teria de me revelar aos outros. E cada vez que eu pretendia falar de mim, aquelas coisas básicas do tipo "gosto de", "já fiz tal coisa" "tenho vontade de", enfim, sempre somos incitados a nos revelar para outras pessoas, como se existisse uma disputa velada entre os seres no sentido de sempre se mostrarem melhores. Acho normal e saudável até certo ponto esse tipo de troca de experiências.
Mas voltando a mim, cada vez que vou falar de mim, acabo me redescobrindo pelas coisas que deixei de fazer, seja por nunca antes ter pensado ou por algum motivo esquecido.
Não sei se sou egocentrísta, mas quando perguntam sobre mim e sobre as coisas que supostamente já fiz de interessante, sinto vontade de dizer que fui Clarisse Lispector num momento da vida e hoje ainda sou um pouco, que noutra hora fui Paulo Machado de Carvalho, Cazuza, Jorge Amado, Billie Holliday, Maysa, eu já fui de todos os meus ídolos um pouco. Só me falta ser eu mesmo. Pois ainda não me descobri por completo.