quarta-feira, 16 de abril de 2008

Para recordar, mais uma das antigas e das minhas preferidas.



CORRIDA


Corri pelas ruas, na velocidade do pensamento
Indagações, soluções e duvidas
A resposta não aceita
Não desisti

Continuei a correr
Em meus olhos o tempo e o espaço
A tristeza de Heráclito na minha realidade
Transformadas em vultos
Mas ainda assim, corri

Corri pra te perder de vez
E ganhar as estrelas do céu, todas elas
Tão desorientadas como o caminho.
Sinto a perseguição na alma
Sua perseguição em sombras!

Na velocidade do pensamento
Vejo que há caminhos, fujo deles
Me esbarro e o ar me falta
De nada me valem eles
Corri pra me perder
No achado do incerto

Um corpo molhado
Encharcado pelas lágrimas do suor
Um tropeço e ainda corri
Pra fugir de tudo, encontrar um novo tudo
Mesmo que fosse tudo de novo.

Cansado parei
E tudo também parou
Vi que nada mudou no tudo
Mas em mim tudo havia mudado.


LUIZINHO BRITO