segunda-feira, 12 de fevereiro de 2007

PT NÃO OUVE O CHORO DE LULA

Editorial do jornal "O Estado de São Paulo", desta terça feira

A têmpera rebelde e pantagruélica que tem revelado o Partido dos Trabalhadores (PT), em relação ao chefe de Estado e governo que é o trunfo maior de seus quadros - desde que foi o responsável maior por sua existência -, não parece arrefecer nem diante dos plangentes apelos do presidente Lula. À guerra interna travada por suas inconciliáveis facções - de um lado, o 'Campo Majoritário', que tem, com José Dirceu, a força ressuscitada, embora ainda não anistiada, e, de outro, os ex-defensores da recuperação ética, via 'refundação' de Tarso Genro - se sobrepõem incompatibilidades de visão em relação à política econômica do governo, tendo como pomo da discórdia simbólico o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, e o que ele representa no impedimento à queda acelerada das taxas de juros, que a maioria do partido considera como condição essencial para a aceleração do crescimento econômico.
http://www.estado.com.br/editorias/2007/02/13/edi-1.93.5.20070213.3.1.xml