terça-feira, 7 de julho de 2009

DICA DE LEITURA: O FILHO ETERNO*


É desafiador para um escritor que se propõe a contar uma experiência pessoal num romance, deixar que sua influência biográfica não interfira na construção da obra, o que muitas vezes leva o autor – personagem a se destacar mais do que a própria história que ele queira contar.
Cristovão Tezza conseguiu vencer esse desafio ao escrever a sua experiência como pai de um filho que possuí síndrome de Down no romance “O Filho Eterno” ganhador de vários prêmios importantes, inclusive o Prêmio Jabuti de melhor romance 2008.
“Um filho é a ideia de um filho, uma mulher é a ideia de uma mulher” e mais adiante “ as vezes as coisas coincidem com a ideia que fazemos dela; às vezes não”. A partir deste aforismo escrito logo nas primeiras páginas do livro o narrador, que é um escritor frustrado, descreve com obssessão e originalidade a fatalidade que envolve o protagonista, no caso o Pai. O relato das dificuldades em aceitar um filho não idealizado, expondo as suas crueldades, suas emoções e desejos condenáveis de uma maneira pouco sentimental, negando qualquer culpa “pela soma errática de acasos e escolhas” , habilmente contrapondo terceira com a primeira pessoa deixa o leitor estremecido pela sua maturidade.
Muito elogiado pela crítica que já classifica o livro como uma pequena obra prima, o Filho Eterno está na sua segunda ediçãO.

O FILHO ETERNO
Autor: Cristovão Tezza
Editora: Ed. Record (tel. 0/xx/21/ 2585-2000)
Quanto: R$ 34 (224 págs.)

* Fiz este texto para o blog " De Olho em São Paulo", cujo link está ao lado direito, acesse.