sábado, 15 de dezembro de 2007

UMA REFLEXÃO SOBRE AS EXPECTATIVAS

Estou numa felicidade hoje que não sei descrever bem o porquê, embora eu saiba. O problema não é sentir a felicidade, mas descreve-la é que se torna um grande desafio.
É um sentimento de grande satisfação por algo que ocorrera e que de certa maneira foi inesperado, apesar que minha expectativas eram outras e elas sequer deu sinais de se realizarem. Eu percebo que o melhor da vida é viver o momento, sem criar ou mesmo pensar em como deve ser as horas que nos antecede, porque elas são tão inesperadas e imprevisíveis, que qualquer tentativa de adivinho, torna-se em sofrimento por antecedência. Eu bem que queria ver minhas imaginações e meus anseios realizados, mas posso até fazer uma metáfora religiosa, até porque é propício para o momento, se Deus quer assim e Jesus abençoa, então que assim seja. ( Brega isso né?), mas hoje resolvi que não questionarei as metáforas, não indagarei nenhuma situação que seja adversa ao que a priori planejei para minha vida, simplesmente porque podemos ser felizes se utilizando apenas do nosso bom senso e bom carater, e foi o que fiz.
Se por um momento me senti frustrado, por outro, tenho que agradecer a vida e a todos os orixás que me acompanham por me reservar surpresas tão gostosas, como essa que me sucedeu.
Não sei se isso é suficiênte para que eu mate minhas expectativas, esperanças ou qualquer coisa que possa significar um futuro planejado, mas confesso de coração, posso estar um pouco desiludido, mas no fundo da minha alma a felicidade brilha.