domingo, 1 de julho de 2007

A BUSCA PELO SABER FÚTIL

Se tem coisas que me perturbam muito, são as necessidades que as pessoas têm em querer saber de coisas que não lhe compete, ou seja, das intimidades das outras. Ora, eu ainda sou daquele tipo de pessoa que valoriza a discrição com relação à alguns assuntos. Talvez eu seja careta, já que a sociedade cada vez mais, tende a expor seus sentimentos, seja eles os mais íntimos. Haja ver como faz sucesso o Big Brother e esses reallity shows que tem por objetivo a exposição de seres fúteis.
Vejo beleza e elegância no mistério. Acho que o silêncio é uma aventura, saber que temos um segredo e acreditar que ele não será desvendado nunca, mesmo quando os olhares nos entregam e nos revelam que nos causam medo, angústia, satisfação e o mais importante, ter segredo é ter poder. Poder de saber algo que outras pessoas não sabem. E é bem possível que este seja o grande motivo das pessoas fazerem essa busca incansável e insaciável em querer saber o que acontece na vida de todo mundo. Mas eu ainda prefiro a elegância da realeza britânica de Elizabeth, do que a espontânea exibição de Lady Die.

Um comentário:

Senhorita Inefável disse...

Essa necessidade de descobrir segredos alheios nasce exatamente de não possuir segredo algum. Infelizmente, a maioria das pessoas da nossa época são vazias e superficiais. O que não é nenhum segredo, mas que nos faz compreender este comportamento tão comum.