segunda-feira, 18 de junho de 2007

COMO GELO NO UISQUE

Cai em você
Como gelo no uisque
Se desfazendo levemente
Pra amenizar teu amargo


Me fragmentei.
Borbulhas em ebulição
Pelo ardor do teu líquido
Cor de desejo

Embebedado, fluido pelo álcool
ingênuo, inocente e vingativo
me dissolvi lentamente
Banho caloroso e intenso.
Reduzi pra te aumentar
Pouco me importei, fui o gelo

Não seria o único, outros gelos viriam
Você como o uísque comprazer e eu o gelo
Frio, fugaz e fraco que se desmancha em bolhas
Para transformar o fel em leveza adocicada

Derretido, misturado, indiferente
No sabor machista prevalecido da sua cor
Eu fui apenas o gelo.

LUIZINHO BRITO