sexta-feira, 29 de junho de 2007

Preso

Me prendi,
Na liberdade que me acompanha
E na escuridão da madrugada
Te vejo por ai, solta na vida.

Vagando pelas ruas,
Tão menina, tão doce
Severa e triste
Desce a ladeira, corre as esquinas
Alguém te olha, além de mim
Olhos nos olhos
Sinto um coração que já não é meu
Foge do ritmo, se descontrola
Deus fizera os idiotas
E nada mais do que sou agora

Com penar, alguém te seduz
E procura-te nos lobos noturnos
Me prendi na solidão da liberdade
Sorrateira, tão menina, tão doce
Um sorriso comprado por um choro vendido
Descompassado está o que antes me pertencera
Agora só a ladeira e as esquinas me pertence.

Luizinho Brito